Pastorais

A Grandiosidade da Graça -Mc 1. 40-45

06/05/2018

Quando lemos I Cor. 13, temos diante de nós o maior tratado teológico e filosófico sobre o amor. E, analisando atentamente este relato de Paulo, percebemos que o amor, segundo ele, não é um mero sentimento! O amor é uma atitude. Uma atitude que somente tem valia diante de Deus quando feita sob o prisma da motivação correta.


Paulo vai chamar esse amor de Ágape. E a motivação ou força motora que o torna operante no coração de Deus e em nossa vida se denomina graça. A graça é o amor real e verdadeiro em movimento; ela é o amor sendo compartilhado. Deus amou o mundo de tal maneira que deu Jesus... A doação de Jesus é a prova incontestável do Amor de Deus. João declara: “E o verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de Graça e de Verdade” (Jo 1. 14).


A graça é o movimento desse amor. Ela é o efeito provocado pelo deslocamento do amor de Deus em nossa direção. E, este texto que separamos para nossa reflexão é um dos textos que melhor explicam esse movimento da graça.
A graça age em nossas vidas de forma direta e indireta.


Indiretamente: ela age nos encorajando e nos motivando a nos aproximarmos de Jesus. Aproximou-se dele um leproso. Tal ato só é possível por causa da ação da graça, pois, somente a graça é capaz de gerar no coração do necessitado a certeza de que ao aproximar-se ele será aceito/acolhido. Esta graça não faz acepção de pessoas; ela não escolhe posição social ou financeira; ela não escolhe gênero ou cor. Ela é transbordante e plena na vida de todos (as).


Diretamente: ela muda completamente o nosso ser. O leproso é literalmente tocado e purificado. Ao nos aproximarmos, a graça nos toca, e, ao tocar-nos, ela nos transforma. O leproso não é mais leproso, ele é uma nova pessoa; o pecador não é mais um pecador, ele se torna um filho de Deus.


Que Deus abençoe a todos (as) e nos faça experimentar sempre essa Grandiosa Graça.

Pr. Genildison da Silva Ribeiro.

Please reload