Pastorais

Porque Deus nos Amou de Tal Maneira (João 3.16)

27/12/2020

Este ano está sendo um ano repleto de desafios para todos (as) nós. Aliás, a igreja sempre viveu e viverá sob a égide do desafio. São eles que fortalecem a nossa fé e nos fazem crescer.


O Evangelho de João foi escrito numa época muito difícil para toda a Igreja. Os cristãos estavam sendo mortos todos os dias. A declaração da fé em Cristo significava assumir para si a sentença de morte instantânea. A igreja nunca produziu tantos mártires como no período de escrita do Evangelho de João.


E, a grande questão que João busca responder em seu evangelho é: Por que Deus enviou Jesus?


A resposta a esta questão é o que vai dar toda a força necessária para a Igreja vencer os desafios do presente e do futuro. E, a resposta que João traz em todo o seu Evangelho é: Deus fez tudo por amor! Deus não fez o que fez através de Jesus para exibir poder; Ele não fez para coagir ninguém a amá-lo; Ele fez o que fez simplesmente porque nos amou e ponto final. Esse amor de Deus é gratuito, é inviolável e imutável.


Sempre que a Igreja comemora o Natal, ela deve ter em mente que Jesus veio como expressão viva do amor de Deus. Amor que João faz questão de esclarecer aos leitores de seu Evangelho que não se trata de sentimento de Deus, mas da Essência de Deus. Deus é amor.


Deus provou o seu amor por nós ao enviar Jesus quando nós ainda éramos pecadores. Saber disso é fundamental para nossa vida e fé. Pois nada pode nos separar desse amor.


A certeza da fé neste amor, nos traz paz e segurança mesmo nas tribulações, pois Deus é socorro bem presente. Jesus habitou conosco e hoje habita em nós mediante o Seu Espírito Santo e a palavra da fé que professamos.


Que neste Natal, Jesus esteja presente em cada coração e que Sua Palavra acenda em nós a chama viva da fé. Fé que não olha para momentos e circunstâncias, mas para o autor e consumador dela, Jesus Cristo.


Saiba sempre que tudo o que Deus fez por você Ele o fez por amor, e que esse amor é eterno.


Deus abençoe a todos (as)!
Pr. Genildison da Silva Ribeiro.