Pastorais

Quem entre vós é sábio e inteligente?

29/08/2021

Tg 3. 13-16

 

Precisamos clamar a Deus para que aconteça em nossos dias o levantar de uma geração de pessoas cristãs que sejam verdadeiramente cheias da sabedoria dos céus. Homens e mulheres que através de suas posturas exemplares possam promover a paz, apregoar a verdade e motivar o crescimento da comunhão e amor entre as pessoas.

 

O cristianismo bíblico sempre exigirá que possamos refletir e reavaliar, à luz da Palavra de Deus, quais caminhos devemos seguir diante dos desafios que se apresentam ao povo de Deus de tempos em tempos. O escrito de Tiago, irmão do Senhor, é uma carta que está muito ligada aos ensinamentos proferidos no Sermão do Monte, ela aborda uma dimensão muito prática da fé, algo que precisa ser concretizado no aqui e no agora; sem contudo perder de vista a esperança do retorno do Cristo glorificado: “Sede vós também pacientes e fortalecei o vosso coração, pois a vinda do Senhor está próxima” - (Tg 5.8).

 

Seus destinatários, judeus dispersos por toda Ásia que haviam se convertido ao cristianismo. E, agora, juntamente com os demais cristãos gentios estavam sofrendo provações e lutas por causa da fé em Jesus. Ou seja, as comunidades destinatárias de sua carta eram formadas por pessoas vindas do judaísmo tradicional e gentios vindos de religiões pagãs, todos sofrendo com constantes ataques de grupos judeus que não aceitavam a Jesus como Messias e vivendo num território onde o poder instituído, o imperador, exigia ser adorado como Deus. É nesse terreno bastante explosivo que Tiago conclama as pessoas para buscarem sabedoria do alto.

 

De certo modo, Tiago estava falando que a liderança daquelas comunidades e todas demais pessoas deveriam seguir o modelo de liderança e de conduta exemplificado por Jesus. A palavra “mansidão” aqui no texto é a palavra grega (πραυτητι - prauteti), essa mesma raiz grega é usada pelo evangelista Mateus para descrever a entrada de Jesus em Jerusalém: “Dizei à filha de Sião: Eis aí te vem o teu Rei, humilde, montado em jumento, num jumentinho, cria de animal de carga” - (Mt 21.5). Nessa passagem bíblica ela é traduzida por “humildade”. Tempos desafiadores exigem sabedoria, mas exigem também humildade. Caso contrário, o que irá florescer é um cristianismo marcado por divisões, que promove amargura e toda sorte de coisas ruins. Isso, de acordo com Tiago, não é cristianismo, mas ação demoníaca.

 

A igreja cristã contemporânea precisa buscar nesses dias essa sabedoria do alto, precisamos nos revestir da humildade e da mansidão que predominavam de forma latente na pessoa do rei Jesus. Necessitamos entender que somos chamados a apregoar a paz, pois somos filhos e filhas de Deus e somente seremos reconhecidos e reconhecidas como tais, quando anunciarmos a paz: “Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” - (Mt 5.9).

 

Tempos difíceis requerem do povo cristão um elevado compromisso com essência do evangelho. Como igreja cristã não podemos reduzir as nossas ações ao campo das coisas terrenas, sob o risco de nos despersonificarmos do que é espiritual e divino.

 

Minha oração em seu favor nesse dia é que: você busque a sabedoria celestial para conduzir suas escolhas e orientar sua conduta. Busque, a semelhança de Jesus, se revestir de toda humildade, de toda mansidão e seja uma pessoa promovedora da paz, agente de reconciliações.

Pr. Genildison da S. Ribeiro.